Artigo de Opinião: Sobre a ineficiência dos meios de comunicação no Brasil

ineficiencia

O avanço dos meios de comunicação trouxeram inúmeros benefícios para a vida em sociedade. A internet, a televisão, o computador – que posteriormente se atualizaram em tablets), os relógios inteligentes e toda uma vida atrelada à tecnologia. Levantamos e já estamos com os celulares em mão, horas se passam e estamos com os notebooks abertos em nossas frentes. O bom dia, antes caloroso e acolhedor, se transformou em um simples “bom dia” frio, textual e antipático.

Entretanto, com todos esses avanços e inegáveis transformações, não julgarei os usos da internet. O foco deste artigo é um tanto quanto diferente e estou o escrevendo justamente devido ao meu intenso contato com lojas, sites e tudo que é virtual.

Era um domingo casual. Comprei minhas passagens para Nova Iorque e, com elas, paguei por minha hospedagem em um hotel em Manhattan. Dia seguinte, escrevi um e-mail pedindo para que confirmassem o status da minha reserva, para ver se realmente tinha dado tudo certo. Horas após, recebo uma resposta confirmando minha estadia para a quantidade de dias estipulada.

Um e-mail, brevemente explicando, é um endereço eletrônico. Cada pessoa ou empresa possui o seu e podem ocorrer a troca de mensagens entre pessoas do mundo todo em tempo real (ou quase isso)!

Ok. Vejamos uma outra situação, desta vez no Brasil. Entrei em contato com uma grande plataforma que permite você vender os seus produtos de forma prática e rápida. Primeiro me deparei com uma seção de contatos completamente confusa e sem o endereço eletrônico explícito. Cansado de procurar, fui até a página da empresa e escrevi minhas dúvidas. Depois de SEIS dias, fui respondido.

Não o bastante, entrei em contato, através de um chat online com uma agência, para perguntar o horário de funcionamento de determinada loja aos sábados. Fui transferido, atendido por dois atendentes, e saí do site sem saber o horário que a loja fechava no sábado.

Por fim, comprei um produto em uma grande e famosa loja virtual. Meu pedido chegou repleto de avarias, em péssimas condições. Escrevi um e-mail na madrugada de domingo para segunda e, surpreendentemente, recebi uma mensagem naquela mesma segunda-feira. Respondi com mais perguntas e liguei para o call center. Solicitei que me retornassem para que assim eu pudesse ver qual opção de troca fosse melhor. A mensagem gravada disse que um atendente entraria em contato comigo em até, no máximo, 24 horas. Hoje já é quarta-feira e ainda estou esperando essa ligação.

É inacreditável que, mesmo com tantos meios disponíveis para diminuir a distância entre as pessoas, ainda demorem tanto para uma comunicação sólida e eficiente, tanto entre consumidores e empresas, como entre pessoas. É triste saber que as relações interpessoais sejam tratadas com tamanha indiferença. Eu até já desisto de mandar e-mails, porque, paradoxalmente, embora seja a opção mais direta e rápida, tem o tempo de resposta mais lento que todos os demais meios de comunicação.

Meu enfoque neste artigo não é fazer uma comparação sem fundamentos, mas sim, demonstrar o quanto estamos atrasados. Atrasados não em tecnologia, mas sim em relacionamento social. Estamos distantes uns dos outros. Um encontro casual de conversa foi trocado por uns poucos minutos de chamada telefônica, estas foram trocadas por curtos áudios no WhatsApp, que foram trocados por mensagens abreviadas de difícil interpretação é assim sucessivamente. Creio que está chegando o momento em que estaremos de frente ao espelho, conversando com nós mesmos, já que a resposta é imediata e talvez até de qualidade. Mas, será que em sã consciência, é esse o futuro que queremos para nossas futuras gerações?

Anúncios

Pensamentos aleatórios: Montanha-russa 


A vida é uma verdadeira montanha-russa: um dia você se encontra no alto, feliz, aceitando as adversidades numa boa, cantando sorridente e solidarizando com todos, enquanto no outro dia, provavelmente você estará derramando lágrimas sem motivos, triste, verdadeiramente para baixo.

O bom de tudo isso, no entanto, é que você sabe que a tristeza não durará para sempre. Os tempos ruins, onde você mais se sente para baixo, passam, e você deve se permitir que as novas ações, as novas atitudes e os novos sentimentos te levem até o topo novamente.

Tudo acontece por um motivo e, se você pensa desse jeito, aceitar as coisas fica bem mais fácil. São os dias ruins que nos fazem valorizar os dias bons. É o choro, o coração apertado e o sentimento de derrota que nos fazem acreditar que dias melhores virão. E pode ter certeza: eles virão.

“I’m happy and I can thank myself.”