O enfoque ao amor, fuga e autoaceitação no filme “Paixão de Aluguel”

perfectman

“Paixão de Aluguel” é o nome comercial que o filme “The Perfect Man”, em tradução literal: “o homem perfeito”, levou em seu lançamento no Brasil. Distribuído em 2005 pela Universal Studios e com um elenco principal composto por Heather Locklear, Hilary Duff e Chris Noth.

O filme retrata a história de um núcleo familiar composto por uma mãe solteira, Jean, interpretada por Heather Locklear, e suas filhas: Holly e Zoe. A cada relacionamento mal sucedido que Jean tinha, a família se mudava para outra cidade. Todas essas mudanças eram contadas por Holly, uma adolescente interpretada por Hilary Duff, em um blog chamado “A garota na estrada”.

A obra mostra diversas interpretações sobre alguns aspectos psicológicos do sentimento humano: o amor, uma das principais temáticas abordadas, a fuga, presente como método de suprimir anseios e medos e, por fim, a autoaceitação da vida e dos rumos que ela toma.

O filme se inicia em Wichita, com um rapaz terminando o relacionamento com Jean. Ela e as meninas, então, acabam se mudando para o Brooklyn. Na nova escola, Holly acaba conhecendo uma amiga, Amy. Ambas acabam indo até o bar de Ben, tio desta. Ele acaba dando várias dicas sobre relacionamento, que Holly segue para criar um cara imaginário, perfeito para sua mãe. A idealização de um homem perfeito continua até um momento em que ela percebe que Ben e Jean foram feitos um para o outro. Suas características comuns são inúmeras e por causa das seguidas mentiras de Holly, os dois não podem se encontrar.

Holly, por outro lado, encontra Adam, um rapaz de sua classe que se apaixona por ela. Apreciador de quadrinhos, ele não exitou em criar um desenho dela, criando uma paradoxo sobre a incapacidade de Holly em aceitar uma pessoa e a vontade de Adam em se aproximar dela, se apaixonar por ela. Entretanto, ela acaba vendo só a primeira parte do desenho, fazendo com que o real sentido da história tivesse sido perdido. Ao chegar em casa, pede para sua mãe uma mudança para uma outra localidade. A fuga é uma representação clara da não aceitação de acontecimentos passados, o que acarreta um não aproveitamento do futuro. Ao tentar seguir os modelos da mãe, Holly crê que, na fuga, encontrará bem-estar e segurança. Jean acaba lendo a história de Adam completa e leva até sua filha, mostrando que tudo na vida tem dois lados.

A autoaceitação é mostrada de maneira simples, clara e objetiva. O maior desafio da vida das garotas da obra foi ficar, enfrentar as inseguranças e o medo. Aceitando os rumos levados por seus atos, elas percebem que a quantidade de atividades boas que conseguiram fazer é superior aos que seriam enfrentados a cada momento ruim, a cada fuga.

O final exalta o amor em suas diferentes formas e como resultado da autoaceitação. Jean serve de exemplo, tentando mostrar como é enfrentar as coisas, conhecer as pessoas de verdade e como tudo na vida tem dois lados.

Referência: 

Paixão de Aluguel. Direção: Mark Rosman. Produção: Marc Plat, Daqn Wolfrom e Susan Duff. Universal Studios, 2005. DVD (100 min).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s